Neemias – Parte 03 – A dinâmica das relações interpessoais

Portal IECP 2

Neemias 2:1-8

O gerente de média administração tem de saber traduzir os ideais dos seus superiores, colocando-os em prática, e, ao mesmo tempo, saber como motivar os seus subordinados. Precisa ter em mente os alvos da firma enquanto encoraja os indivíduos a atingir os alvos pessoais.

O capitulo 2 de Neemias descreve os princípios do gerente médio bem sucedido. Do exemplo de Neemias aprendemos a importância da lealdade e do tato, como evitar polarização desnecessária, a técnica de boas perguntas e a forma pela qual se pode levar a administração a adotar as nossas ideias.

O capítulo começa com Neemias à espera da resposta de suas orações. Mas com a pergunta do rei (“por que está triste o teu rosto?”), ele se encontra em posição inesperada, vendo sua lealdade ao rei posta em dúvida.

O modo como Neemias enfrenta esta situação não esperada demonstra a importância do tato. Tato não significa que tenhamos de concordar com tudo que uma pessoa diz. Nem quer dizer que devamos mentir para evitar ferir aos outros. O tato baseia-se na verdade e no caráter e na compreensão da natureza humana. Envolve saber como aproximar-se das pessoas e como apresentar os nossos pedidos.

A discrição de Neemias resulta na pergunta do rei, dizendo com efeito: “de que modo poderei ajudá-lo?” Imediatamente Neemias envia uma oração ao céu, do tipo telegrama. Ele sente a necessidade de ajuda extra enquanto coloca diante do rei o seu plano e apresenta os seus pedidos. Sua resposta mostra como ele tinha feito um bom planejamento. Sabia exatamente do que precisava.

Não iremos muito longe com as nossas ideias se não incluirmos nossos superiores naquilo que desejamos sugerir.

O sucesso de Neemias em apresentar seu pedido ao rei pode ser atribuído ao fato de que ele se preparou de antemão. Tendo-se preparado muito bem, ele conhece suas necessidades. É boa política e bom negócio obter esta espécie de autorização de Artaxerxes. Mostra visão correta. Estas credenciais colocariam sua obra sob a égide do rei.

Tendo-se preparado assim para esta entrevista com o rei, poderíamos esperar que Neemias se congratulasse pelo seu sucesso. Em vez disso, ele escreve: “E o rei mas deu, porque a boa mão do meu Deus era comigo”. Sua dependência do Senhor era real. Sua humildade genuína. E seu exemplo lembra-nos que não podemos gabar-nos das coisas que Deus faz por nosso intermédio, como se nós as tivéssemos feito sem ajuda.

O sonho impossível

Deus opera nos afazeres humanos a fim de cumprir os seus propósitos. O que começara quatro meses antes como uma impossibilidade agora começava a parecer possível. E a chave? Oração, preparo e perseverança.

Oração é uma identificação deliberada com Deus e com seu propósito.

O método de Neemias também ressalta a importância da lealdade e do tato, a necessidade de preparativos anteriores, a importância de evitar polêmica desnecessária, e a melhor forma de preservar a autonomia de um superior.

Quando assumimos uma nova tarefa devemos pedir a explanação pública de nosso papel para que outros não nos impeçam de cumprir o mandato que nos foi dado.

Os que estudam as características das pessoas com quem trabalham – num nível tridimensional: acima deles, ao lado deles e abaixo deles – serão mais úteis aos seus empregadores e mais bem sucedidos também!

A psicologia das boas perguntas

As boas perguntas ajudam-nos a esclarecer situações como também dissipar dúvidas e suspeitas. Neemias empregava com vantagem as perguntas.

O Senhor Jesus usou perguntas em todo o seu ministério. Ele as usou para ganhar a atenção de seus ouvintes e também para estimular-lhes os processos de pensamento.

Quanto mais conhecemos as características da pessoa com quem estamos lidando, mais facilmente saberemos fazer as perguntas certas. Uma pergunta bem formulada poderá restaurar a confiança e manter aberta a comunicação, sem perda de dignidade.

Em resumo, uma pergunta tipo “por que” (como aquela feita por Artaxerxes) pressupõe autoridade, sonda um raciocínio convincente para o comportamento ou a decisão de uma pessoa, e geralmente coloca na defensiva. Por outro lado, uma pergunta tipo “o que” geralmente pede opinião e necessita que o indivíduo a quem se pergunta pense nas questões e dê uma resposta lógica.

compartilhar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pin It on Pinterest