Neemias – Parte 15 – O novo começo

Portal IECP 2

Para um bom recomeço é essencial guardar os valores da palavra de Deus.
CAPÍTULO 15

Neemias 11 – leia o texto bíblico antes de prosseguir, você aproveitará muito mais

Nossos instintos sociais fazem-nos andar juntos, em grupos. Sempre que tentamos trabalhar juntos através de uma organização, surge uma forma de governo. Ao estabelecer a administração deve, necessariamente, haver o consentimento de todos os envolvidos, a aceitação de controles, a extensão e os limites do poder, e a outorga recíproca de autoridade com a aceitação de responsabilidade. Mas as teorias de governo entram em conflito. O que originalmente foi designado “para o bem comum” torna-se em fome e abuso de poder.

Com toda a confusão que nos cerca, é importante saber o que a Bíblia ensina a respeito do assunto. Quanto a isso, o capítulo 11 de Neemias fala do estabelecimento de uma nova forma de sociedade.

O trabalho começado por Neemias quando fez o censo do povo (capítulo 7) agora pode continuar. A baixa população da capital é um grande problema. A cidade é vulnerável e pode facilmente ser tomada pelos inimigos. O próprio povo decide como efetuar a renovação urbana, no repovoamento de Jerusalém. Alguns dos judeus oferecem-se para mudar para a cidade. Os líderes das diferentes cidades e vilas devem ter conclamado reuniões comunitárias para discutir o melhor meio de suprir esta necessidade, e resolvem quem deverá mudar-se para a cidade.

Na ausência de um rei em Judá, e com a regência de Deus sobre o seu povo através de um representante local (teocrático), prevalece uma forma de democracia. É estabelecida sobre um forte fundamento religioso. Como norma, há justiça, equidade e igualdade. Como estrutura há uma distribuição de poder com o povo tendo parte nos afazeres da comunidade. Como comportamento há ausência de conflito. Tudo isso tem sua origem na relação do povo com o Senhor e com o seu desejo de fazer a vontade divina.

Ao estabelecer sua nova administração, Neemias demonstra força interior que deve necessariamente caracterizar todos os administradores bem sucedidos. Sua confiança está no Senhor. Aqueles que poderiam ter sido uma ameaça à sua segurança não o são em razão de sua fé implícita e sua confiança naquele que o chamou para a obra.

O capítulo termina com uma recontagem das vilas e cidades que cercavam Jerusalém pertencentes às tribos de Judá e Benjamim. A administração de Neemias não era convencional. Ele seguia uma administração de forma descentralizada. Cada cidade, cada vila, era responsável por seu próprio governo. Construindo sobre um fundamento sólido, ético e religioso, Neemias fundou um estado democrático com autoridade descentralizada.

Sem valores espirituais adequados é difícil, se não impossível, guardar a ideia de obrigação e responsabilidade.

Os princípios empregados por Neemias para governar o povo de Deus aplicam-se a companhias, grupos eclesiásticos, corpos profissionais, clubes, sindicatos, movimentos cooperativos, organizações de ensino e qualquer outra espécie de risco associado. Todos precisam de regulamentação democrática sadia, e os princípios básicos utilizados por Neemias valem a pena ser imitados.

Este é um resumo do capítulo 15 do livro “Neemias e a dinâmica da liderança eficaz” de Cyril J. Barber, Ed.Vida.

 

 

 

compartilhar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pin It on Pinterest